terça-feira, julho 24, 2007


ai flores que adornaram o dia grave,
perfumai os olhos tristes das campinas que perdi!

da minha voz voaram as aves.

mariagomes
julho, 2007

quarta-feira, julho 18, 2007

O Poema



A tarde cai,
silenciosa,
morosa...

Na alma do poeta,
o poema,
estranha rosa
rubra e preta,
abre...

Afinal,
escrever um poema
é fixar uma pena
sentindo estoirar
o calibre
do coração,
nostálgico do éden...

-Vá, poeta,
deixa o coração sangrar!

Para quê negar
a esmola que te pedem?

Saul Dias*

(in 800 anos de poesia portuguesaedição circulo de leitores, 1973)

*Saúl Dias nasceu em 1902 e faleceu em 1983.Saúl Dias é o pseudónimo literário do pintor Júlio Maria dos Reis Pereira, irmão do poeta José Régio. Licenciado em Engenharia Civil pela Universidade do Porto, foi pintor, poeta e desenhista. Colaborou na revista Presença com produções literárias, pinturas e desenhos.

[fotografia de mariagomes]

quarta-feira, julho 04, 2007

dias hajam em que o céu venha de esperançosa vaga
da terra que cheira a crisântemos
no vento invisível
eu te possa ver enfim
flor e água como a folha que se confia conclusiva.

mariagomes
julho07

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters