quarta-feira, agosto 29, 2007


[...]
Lenha mote
crescê-me
na pulmon sec

De sol a sol
nha osse ê verde
bô osse ê planta
C’ma fruta- pon tambor e tchon

De sol a sol
‘ma gritá Rimbaud ô Maiakosky
larga-me da mon


[...]


Secos os pulmões
neles cresce-me
a lenha do mato

De sol a sol
os meus ossos são verdes
os teus ossos são plantas
Como a fruta-pão o tambor e o chão

De sol a sol
gritei por Rimbaud ou Maiakovsky
deixem-me em paz


Corsino Fortes
in “ A cabeça calva de Deus”, p 39, 39
Publicações Dom Quixote

Corsino Fortes nasceu em 14 Fevereiro de 1933 em Mindelo, Ilha de S. Vicente, Cabo Verde…

quinta-feira, agosto 23, 2007


porque digo esta amargura que se submerge às enseadas,
aos sussurros a iluminar as águas, se os dias repousam ao luar?

mariagomes




sexta-feira, agosto 17, 2007


Método, Método, que queres de mim? Bem sabes que comi do fruto do inconsciente.

Jules Laforgue
Moralités légendaire,
Mercure de France, p.24

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters