sexta-feira, janeiro 27, 2012





é tão belo o linho que se acende ileso
na paisagem profunda dos teus olhos!
tão leve a ilha que desata o azul,
tão natural o destino da chuva,
e do céu, 
e dos pássaros que chamam o fogo,
ao amanhecer,
e que continuam devagar
como um oceano de sangue...

é tão ínvio este caminho, este deserto,
tão íntimo,  
tão intenso como a luz que te descobre!


____________ mariagomes

27, Janeiro, de 2012

quarta-feira, janeiro 25, 2012





é urgente a expedição da madrugada e de uma flor, é urgente o coração da poesia de combate.


___________mariagomes

domingo, janeiro 15, 2012

Photobucket




sê como as aves e a viagem azul
a manhã virá do coração incompleto
de deus
na beleza das asas
nas águas bordadas

sê a alma do vento
e o silêncio que se ergue
lentamente ao amor
à flor do sangue
e do sal.



______mariagomes
15, Janeiro, 2012

Rôsinha




“Rôsinha
eu estar chatiado
não ir trabalhar.
Rôsinha
agente aôje vai amar.
_ Ouvi quirido
você sabe qui Chiquito
comeu manga verde
tem dor no barriga
agente aôje não vai amar.
Rôsinha
eli não vai chorar!
Eu vai comprar rimédio pra Chiquito
tu vai ver
eli ficar bom
eli ádi brincar.
Tira capulana Rôsinha
agente aôje vai amar!”



_____________________Calane da Silva
( n. Maputo, Moçambique 1945)
in “ dos meninos de Malanga”

domingo, janeiro 08, 2012






"Sempre tive a impressão de que a música fosse apenas o extravasamento de um grande silêncio."


_____________Marguerite Yourcenar

sexta-feira, janeiro 06, 2012



memória
mar
palavras que se soltam
palavras que pernoitam
sobre um rosto que muito cedo abrimos

mar
memória a florir.
__________mariagomes
6 jan2012

segunda-feira, janeiro 02, 2012



um dia chegarei ao silêncio dos teus lábios,
chegarei à lua exacta, à noite d’esplendor
e ouvirei cantar;

um dia, num dia único,
uma guitarra cortará o segredo,
meu amor,
da paz das lágrimas,
do mar que se esconde por detrás das tempestades.



___________________mariagomes

1 janeiro, 2012



Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters