quinta-feira, agosto 03, 2006

tenho nas mãos bocados de qualquer coisa aparente
direi apenas o impenitente que projecta formas acossadas
pela sombra das aves e das águas

eu procuro milagres!

mariagomes
3agosto.2006, 15 h.

1 comentário:

J T Parreira disse...

Maria, um dos lugares por onde se deve começar a procura de milagres: as nossas mãos. Gostei da intensidade breve do poema.
Um abraço
João

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters