quarta-feira, abril 06, 2005

e a erosão




não posso dizer dos olhos, assim,
contidos nesta manhã inacabada.
há gritos negros e a erosão
branca, nos corpos, abre a luz
cheia de sede.

não fosse esse pedido de palavras,
eu escreveria o poema da paz
que anseia os meus sentidos.
porém, é tarde.
nunca disse que habito uma cidade.
as minhas mãos movem-me.
como ninguém, toco o perfil
melancólico e dócil do fim da minha vida.

mariagomes
6deabril.2005

5 comentários:

lori disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Um prazer ler o seu blog!

George.

www.georgecassiel.blogspot.com

soledade disse...

um poema de irremissão. melancólico, descrente e belo.
a beleza é tantas vezes triste. por que será?
beijo

Márcia Maia disse...

essa 'manhã inacabada' e essa 'luz cheia de sede' são imagens impossíveis de tão belas. e me encantm. como, aliás, me encantam —sempre! — os seus poemas.
um beijo do outono.

Silvia Chueire disse...

Um belo, belo poema. Obrigada por ele, Maria.

Beijos,
Silvia

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters