domingo, abril 17, 2005

hoje ou amanhã



hoje ou amanhã, a lareira apagará o gosto.
acerca disso eu hei-de escrever.
poisarão no meu corpo poemas, nitidamente felizes,
sem palavras.
na assimetria de um entardecer uma pátria qualquer,
uma só flor, uma face
ou um traço definir-me-á.
não sei de que horizonte virá o vento.
nem sei tampouco se do mar lançarei a concha
da alegria côncava da criança.
contudo, eu hei-de escrever - o deserto
as dunas as ameaças e as casas próximas.

mariagomes
16abril.2005

5 comentários:

r.e. disse...

lindo. J.

ManoMulato disse...

"não sei de que horizonte virá o vento"

Mas sabes que ele nunca passará por ti sem te afagar a alma com a esperança. Só os eleitos serão premiados. Tú e eu sabemos isso.
Beijo-te

hfm disse...

Há-de escrever sempre, Maria, felzmente para nós!

Alma do Beco disse...

'poemas, nitidamente felizes,
sem palavras.'

quem me dera escrever um poema feliz assim...

beijo-beijo, amiga,

Márcia

mariah disse...

belíssimo poema.


maria,lá nos encontraremos.

bjs.

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters