quarta-feira, março 29, 2006


" vou-me embora" fotografia de mariagomes

terça-feira, março 28, 2006

e se a poesia vier precipitará aquela velha ponte da infância
em propensão futura
em todo o corpo côncavo da boca
haverá primavera enquanto se deita o poema na flor imatura.

mariagomes
março.06



segunda-feira, março 27, 2006

este é o rio que nos vestiu com punhais de bruma
as bandeiras feriam a pele
à volta do pedúnculo
da lua


agora as aves abrigam a tonalidade
da sombra uma volúvel noite. e respondem.

mariagomes
26/27.março.06

sexta-feira, março 24, 2006

O destino dos Livros está ... AQUI
...

" Ah,
o que não tem explicação
apetece colher dos teus olhos."

...

Amadeu Baptista
in "Salmo", pag 49
edições Asa

"a cidade e a luz" fotografia de mariagomes

quinta-feira, março 23, 2006

na metamorfose da voragem

*
pai não há poesia. há um nó desfazendo um percurso nu.

a existência do vento norte naquele vento
que bateu à nossa sorte como um trovão extinto.
como a bala objectiva
que cerceia o peito dos areais já prontos e o sul. o sul que és tu.

**

está lá fora uma elevação impetuosa.
na boca dos que se calaram

abriram-se as pálpebras das mulheres que choram.
ouve pai esse primevo canto que nos fundeia cambaleante
ao som fúlgido da lâmpada. é a chuva interior que paira.

***

arroladas as amendoeiras clamam em tácita cegueira

e as crianças nascem

importa pai o coração importa o quanto arde a imensidão
incoercível
na metamorfose da voragem.

mariagomes
18/ 23março.06

quinta-feira, março 16, 2006

quarta-feira, março 15, 2006

há uma hora em que a fenda consterna
perfura a escada a pedra mais alta que apertamos

há uma hora que deslocadamente acaba na cor da cisterna

e as gaivotas voltadas nos ramos.

mariagomes

março.2006

segunda-feira, março 13, 2006

é preciso dedilhar a seiva, devolver aos pássaros a migração
porque a memória é como se nos doesse a língua.

os anjos habitam-na,
são castanhos, geométricos, rolam nos seixos desérticos
e depois transpõem o sol
para que o vento sopre, e nos caiba um bocado de matéria.

mariagomes
março.2006

sábado, março 11, 2006

"No hables en tus poemas del ruiseñor
de Wilde, ni menciones amor, perfume, labio o rosa"
—me dice en los manuales Ariel Rivadeneira—
y yo evito poner en cada verso escrito
un ala, algún jardín, la luna de Virgilio,
y hasta a veces me niego, sentado
en el alféizar, a mirar las heladas
del invierno en España, porque queman
las ramas de los árboles todos y la niebla
me invita a escribir con nostalgia"
y ese signo, nostalgia, —me dicen
los manuales— es señal del pasado,
y se debe escribir sin alma, con estilo,
igual que si torcieras el cuello
de una garza con desprecio en tus dedos.

"Habla de cibernética y de física cuántica,
menciona blog, pantalla, correos
electrónicos" —me aconsejan los críticos—.
Y yo sumo las cifras o despejo ecuaciones,
digo leyes, neones, sistemas invisibles
que arman genios, científicos.
También menciono genes, vídeos,
ordenadores, y hay instantes, incluso,
que hablo sin meditar y construyo asonantes
al decir aeropuertos, submarinos, aviones
y algún laboratorio (...), móviles, cines, clones.

Pero aunque logre versos posmodernos
siguiendo los consejos de sabios
que hablan de poesía como hablar
de la historia, de mercados, teoremas
que establecen los pliegues en las cuerdas
del tiempo, no he logrado escribir
el poema perfecto, e incluso
cuando leo alguna línea aislada
de Wilde entre las sábanas, y todos
mis maestros (con diplomas de masters
y perfil de doctores) se divierten
en bares o en los pubs de internet,
yo lloro como dama sin remedio
y me jode el viejo de Quevedo,
y me arriesgo, en la cama, a que digan
los críticos en los post o en revistas:
"¡qué anticuado y qué griego se volvió
Dolan Mor leyendo a los antiguos!,
si hasta le creció un día, encima
de las cejas, (en lugar de la gorra
ladeada sobre un piercing) un ramo
de laurel...
Pero logró dos cosas: pasar
imperceptible delante de los hombres,
como dijo Epicuro, y escribir con la espalda
inclinada en la hoja, sin cederle la mano
al influjo variable del tiempo y de las modas".

(Inédito)

Dolan Mor (Cuba, 1968): Arte poética, 2006

domingo, março 05, 2006

quinta-feira, março 02, 2006

quisera o rumor das águas diante das palavras
onde se faz a conversão das coisas


nesta sensível madrugada
na mão esquiva quando os plátanos aleitam pássaros
não tenho o sol para te oferecer

eu saí da convulsão dos teus olhos
inacessível.

mariagomes
março.2006

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters