quinta-feira, março 02, 2006

quisera o rumor das águas diante das palavras
onde se faz a conversão das coisas


nesta sensível madrugada
na mão esquiva quando os plátanos aleitam pássaros
não tenho o sol para te oferecer

eu saí da convulsão dos teus olhos
inacessível.

mariagomes
março.2006

5 comentários:

Anónimo disse...

pássaros...sol...elementos aliciantes em versos atraentes!
bj carlos p f

mariagomes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
mariagomes disse...

cpf,
os versos não podem ser apenas atraentes, ou respiram ou não respiram. e aqui reside a nossa luta com as palavras... e não estou a dizer nada de novo com isto, tu sabes.
muito do que aqui escrevo acabará por sucumbir, por esse motivo.

Aproveito para deixar um beijo amigo de agradecimento a todos os que por aqui têm passado, mesmo em silêncio.

beijo
maria

Torquato da Luz disse...

Maria, passo por aqui todos os dias e é claro que deixo sempre um beijinho, mesmo quando não digo nada (o que é o mais frequente).
Quanto ao poema de hoje, gostei muito.

alice disse...

boa tarde,
na minha humilde opinião, um dos poemas mais bonitos que li,
obrigada,
beijinho,
alice

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters