terça-feira, setembro 28, 2004

marguerite yourcenar







(...)“e os impérios, como os homens, já não têm tempo para se instruírem à custa das suas faltas. Onde quer que um tecelão remendar o seu pano, onde um calculador hábil corrigir os seus erros, onde o artista retocar a sua obra-prima ainda imperfeita ou apenas danificada, a natureza prefere repartir sem intermediário a argila e o caos, e esse esbanjamento é o que se chama a ordem das coisas.” (...)

“memórias de Adriano”
marguerite yourcenar

2 comentários:

LetrasAoAcaso disse...

Estou fascinado. Pensava que, salvo alguns ratos de biblioteca que procuram a sapiência para além da asfixiante ortodoxia, mais ninguém neste país tão culturalmente medíocre se interessaria por Marguerite Yourcenar. Estava enganado. Ainda bem. Senti isso logo desde o primeiro momento em que bebi da sua sabedoria. Alimento o velho sonho de no cadinho do nosso espírito,fazer a síntese perfeita entre o guerreiro e o monge, para assim estar preparado para influenciar activamente a política dos homens.
O sapiente vence sempre o profano!

Talvez por isto me reveja no Caos.
Um beijo respeitoso

mariagomes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters