segunda-feira, dezembro 12, 2005




quando a tua outra face tinha o futuro dentro de uma giesta
as coisas ouviam-se nos teus olhos
divinas
com subtérrea liberdade

eram um pranto o poético dos prados
e no entanto calei mais do que a morte fui a sombra a infância
dos sinos

em cada hora o sol é a memória mais longa que te cabe.


mariagomes
dez.2005



Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters