quarta-feira, novembro 30, 2005

Sofia, é para ti este blog!

porque também se escreve com o olhar...


mariagomes
30.Nov.2005

domingo, novembro 27, 2005

talvez eu queira devolver uma janela aos anéis secretos;
em dezembro
irradia a rosa que me deu a terra ardida,

o ventre sempiterno.

o sonho, esse, vem em frente,

é uma constelação bordada na bandeira submersa
pelo mar -
escavo clamor de rosto, meu fogo imenso e tão menino.

mariagomes
27.Nov.2005
....

"Se os espíritos de Homero, Virgílio, Al-Maary* e Milton soubessem que a poesia se tornaria uma mascote dos ricos, teriam abandonado o mundo onde isto pudesse acontecer.

Magoa-me ouvir a linguagem dos espíritos tagarelada pelas línguas dos ignorantes. Flagela-me a alma ver os vinhos das musas fluir nas penas dos fingidores.

E não estou sozinho neste vale da Ofensa. Digamos que sou um entre muitos que vêem o sapo inchado imitar o búfalo.

A poesia, meus caros amigos, é uma incarnação sagrada de um sorriso. A poesia é o suspiro que seca as lágrimas. A poesia é um espírito que habita a alma, cujo alimento é o coração e cujo vinho é o afecto. A poesia que não tenha essa forma é um falso messias.

Ó espíritos dos poetas, que velam por nós, dos céus da Eternidade, nós dirigimo-nos aos altares que vocês adornaram com as pérolas dos vossos pensamentos e as jóias das vossas almas porque o estrondo do metal e o ruído das fábricas nos oprime. Por isso os nossos poemas são pesados como locomotivas e irritantes como apitos de vapor.

E vós, verdadeiros poetas, perdoai-nos. Nós pertencemos ao Novo Mundo onde os homens perseguem os bens materiais; e também a poesia se tornou um bem de consumo, e não um sopro de imortalidade."


* Um poeta árabe do século IX que ficou cego com quatro anos e era considerado um génio


Kahlil Gibran
de poetas e poemas,
in" Pensamentos e meditações"
pag 94, 95
edições pergaminho

quinta-feira, novembro 24, 2005

“ Cheguei demasiado tarde à suprema incerteza.”

Ezra Pound

in " Os cantos"
Edição, Assírio & Alvim
tradução e introdução de José Lino Grünewald

"os crisântemos", fotografia de joão gomes

quarta-feira, novembro 23, 2005

quando em mim nada houver, imaginai o incenso nu;

a intensidade de um violino a ouvir o sol
na cidade azul dos homens que, como nós, são de corda.


imaginai, meus filhos, o retorno -
uma festa cada vez mais inacessível, alucinada pelo ouro
do ritual da tempestade.

no fim, vivendo uma pedra branca, branca.

mariagomes
21/23.nov.2005

terça-feira, novembro 22, 2005



....
"Ainda que a propriedade, bem entendida, se não deva nunca transgredir, quer empregando palavras com sentidos que naturalmente lhes não competem, quer usando de modos de dizer que não são próprios da língua, ainda assim, há que reparar que é legítimo violar as mais elementares regras da gramática - no estilo expositivo ou no artístico- se com isso ou a ideia ganha clareza ou firmeza, ou à frase se enriquece o seu conteúdo de sugestão. Se determinado efeito, lógico ou artístico, mais fortemente se obtém do emprego de um substantivo masculino apenso a substantivo feminino, não deve o autor hesitar em fazê-lo.
....
A linguagem fez-se para que nos sirvamos dela, não para que a sirvamos a ela."


Fernando Pessoa
in "A Língua Portuguesa"
pag, 72, 73
edição Assírio & Alvim

sábado, novembro 19, 2005

o sangue eterno

Oh noite infinita,
cuja vertigem eleva o sangue eterno da floresta,
as aves desabaram, virgens.

sobre a tarde,
o céu purpúreo coroado com um dilúvio de penas,
concentrou, na imagem, o gelo permeável dos tendões.

agora, as tuas mãos depuram minhas formas ancestrais.

mariagomes
19 de Nov.2005

sexta-feira, novembro 18, 2005

a neve voltou branca e fria; cega, coabita um canto suicida.

com os punhos em flor,
vem conter a ninfa virada, prematuramente, a esse rio;
neste poema extremo que se deita triste, fala-me de amor.

mariagomes
18.Nov.2005

quinta-feira, novembro 17, 2005




"perdi as funções com que fui programado em criança, sou agora um homem sem fé. o que não compreendo torna-se para mim obscuro e muitas vezes surrealista. neste trabalho, as minhas fotografias são quase sempre um espelho da minha perda e do meu vazio."

direitos reservados ao autor, nelson d'aires

quarta-feira, novembro 16, 2005

para escrever um poema
eu confino a vida como um barco envelhecendo o sono;

esta hora de pássaros,

o tempo móvel,

na madrugada, quando se inibem as palavras.

mariagomes
16.nov.2005

segunda-feira, novembro 14, 2005

amo-te pelas alamedas, cercada;
de noite, velo por ti na geografia de estrelas implacáveis.

Oh silêncio de símbolos onde me sento,
é minha a voz íntima de muralhas.

mariagomes
14 de nov.2005

domingo, novembro 13, 2005

DEFINIÇÃO

"Por cultura entendo a mais intensa vida interior, a de mais batalha, a de mais inquietação, a de mais ânsia ."

Miguel de Unamuno

sábado, novembro 12, 2005

Le Chant de Virgile




La musique des flûtes et des lyres
se mêle au bruit des crécelles et
les voix des jeunes chatent un chant sacré:
um son merveilleux et puissant s'élève
vers les cieux qui réjuit les dieux.

Sappho de Lesbos


os poetas da Antiquidade na música da Renascença
edição harmonia mundi, s.a., 2001

sexta-feira, novembro 11, 2005

11 de Novembro e " a CERTEZA de um Filho -de -África- Diferente" - Carlos Gouveia

da tranquilidade da palavra arranca o retrato da loucura,
aí cabe um limite.

Ou talvez, de tuas mãos, ninguém grite.

mariagomes
10.Nov.2005

quinta-feira, novembro 10, 2005

"Esta mulher exilada não pára de morrer
Voltai-lhe o rosto para a terra natal, para que ela exale o último suspiro."

Sayd Bahodine Majrouh


in " A Voz secreta das mulheres afegãs,

o suicídio e o canto"
p, 49
versão de Ana Hatherly
edições cavalo de ferro

Apontamento do Filo-Café de Vigo, a 5 de Novembro...


(Pub " Sete Mares", Vigo)

terça-feira, novembro 08, 2005

em pedra, a minha coroa


( Quinta das Lágrimas, 7.Nov.2005, Coimbra)



para haver uma árvore, lançarei a terra à tua luz;
o orvalho fulminante
agarrado secretamente ao lume.
depois, irromperá a folha
da impressão de um ramo doce e
nu.

como tu, Inês, eu peço que talhem, em pedra,
a minha coroa
no pecado que propaga o linho, na fonte trigueira;
no gume da humanidade que ainda se transfigura,


para haver uma árvore.


mariagomes
out/nov.2005

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters