domingo, junho 05, 2005

Pierre Reverdy




o tinto de leite do penacho no momento em que
se agita a praça
Entre as avenidas a estrela
e as casas
Em lugar de gotas de água é o dia que cintila
e voa em volta
O monumento agita-se
A manhã levanta-se e por momentos volta a pôr-se
E quebra-se o dia
A cascata da caserna tem os seus clarins
Nas vozes do céu a que junto
a minha
Tudo é de esperar
Sob as molas que sofre
a sombra rola sem ruído ao fundo
A terra está cheia.

Pierre Reverdy * (1889-1960)
Bruits au réveil, in La Guitarre endormie, 1919


*"Reverdy contribuiu para a construcção do edifício surrealista com a sua reflexão sobre a dificuldade de conciliar o real e o mundo. Jovem, tentou fugir a este mundo, mas depois abraçou-o para melhor se fundir com a natureza e com aquilo e desvendar-lhe os mistérios. ' Ninguém meditou melhor nem soube fazer melhor sobre os meandros profundos da poesia. Nada viria a ser mais importante que as suas teses sobre a imagem poética' reconhecerá mesmo Breton, apesar das opções espirituais e do isolamento deste poeta. A poesia de Reverdy, em busca permanente revisitada, é burilada, simbólica e cheia de delicadeza. " O amor à verdade levado ao extremo na arte, nega-a e destrói. Por isso existe um misterioso limite que o espírito deve saber atingir e não ultrapassar", escreve em Le Grant de Crin ( 1927) colectânea de notas em que previne à cabeça "Notas sobre a arte, que é o homem- o homem, que é Deus, - a religião, que suspende o homem de Deus."

(in ABCedário do Surrealismo, publico.pt)

2 comentários:

Tutti disse...

Sim, Maria, "tudo é de esperar "- inclusive as iluminações que poemas desse tipo provocam em quem os lê pela primeira vez, como é o meu caso.

mariagomes disse...

Tutti,
penso que um blog de poesia existe:
-para leitura
-para reflexão
-para a intertextualidade a que se refere o Félix( também em Listas de discussão de poesia e literatura)
Enfim,esta janelinha existe para o diálogo do leitor/ poeta ou do poeta quando leitor, e mesmo para o diálogo do não-poeta que nos visita.
muito obrigada

beijinhos
maria

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters