segunda-feira, outubro 31, 2005

o significado das águas

Havia uma cidade de chuva incendiada,
a mágoa que se expunha a cobrir o mel da manhã.

e nós lá dentro
como se tudo estivesse, abertamente
no rumor da falésia.

um pássaro forjou o significado das águas.

mariagomes

31deout.2005

sábado, outubro 29, 2005

a seiva

Outrora, eclodiam os desertos.
Chegava a integridade de um outono -

a seiva, àquela simples casa que morria
de súbito, e amava.


mariagomes
out.2005

quarta-feira, outubro 26, 2005

os últimos peregrinos

Inventamos palavras cerceando o interior,
e o resto aberto a quem passa
e nos diz:
- estes são os últimos peregrinos,
têm o nódulo da língua ligada ao sol.

amanhã o mar é o mesmo,
os mesmos peixes lavrarão, no azul, a boca de outro caminho.

mariagomes
26out.2005

terça-feira, outubro 25, 2005

César Fernández Moreno




tienen cuerpo las palabras tocan y son tocadas
son caramelos se las puede lamer chupar mamar
hierven como peces en un estanque tropical
tienen tantas formas como las valvas según las rocas a que se adhieran
pero importa mucho más lo que contiene su nacarado seno
la vida deliciosa frágil del ser que las habita
son transparentes para que resplandezca su contenido
son crisálidas clavos ardiendo
granadas que revientan en la mano si no se arrojan a tiempo
sólo viven para morir (...)



fragmento de "Las palabras",
De Argentino hasta la muerte,
Editorial Sudamericana, Buenos Aires, 1963

César Fernández Moreno (Argentina, 1919-1985)

Paul Gauguin



"Where Do We Come From? What Are We? Where Are We Going?"
(Oil on canvas)

a música de um pássaro triste

eu não sei porque cantaste ao meu olvido,
a música de um pássaro triste.

lançariam os dédalos o projéctil
de um sinónimo destinado à rua?

de onde nasceram os pomos que o céu incorpora?
e esta árvore na imortalidade da lâmpada?
e um suicida?

vê como demora o silêncio, vê como se nega o poema
ao abandono, “nas estátuas que são gente nossa”.(1)

mariagomes
24 de out.2005


(1) in "Mãe", Miguel Torga

domingo, outubro 23, 2005

na página


ouve, eu tenho uma lua nova,
dobro-a com os dedos,
na página.
o mar apagou-se não sei porquê!
os sinos ousam no deserto,
nada sabendo do coração ou do afago da pedra onde repousam.


mariagomes
23.out.2005



448

Eis um Poeta - Aquele que
Tira surpreendentes sentidos
Das significações habituais -
E uma Essência tão vasta

Das espécies familiares
Que pereceram diante da Porta -
Que nos espanta não termos sido Nós
A captá-la - antes-

De Imagens, o Revelador -
O Poeta - é Ele-
Quem nos investe - Por Antítese -
Numa perpétua Indigência -

Dessa Herança - tão inconsciente -
Que Roubo algum - o poderia prejudicar -
Ele próprio - para Si Próprio- um Tesouro-
Estranho - ao próprio Tempo -



Emily Dickinson

in "Emily Dickinson
Poemas e Cartas"
pag, 55, edições Cotovia
tradução de Nuno Júdice

sábado, outubro 22, 2005

de algum lado

não podemos perder o que sobra da luz
de algum lado;
sobre a pele, existe a hora de coisas impassíveis.
os comboios brancos,
aquela flor voltada à janela, falando-nos.

não, meu amor, não podemos perder a raiz
de um corpo incandescente, agora, derramado.


mariagomes
out.2005

segunda-feira, outubro 17, 2005


(W. Eugene Smith in art.transidex.ro)



Ao despertar, nesta manhã cinzenta de chuva, a Sofia* exclamou:

-" Avó, apagaram a rua!"


(*Sofia Gomes, 3 anos)


mariagomes
Coimbra,17 , out.2005

domingo, outubro 16, 2005

Rudolf Steiner

"No meu interior vive algo que me guia com mais acerto do que o grau de discernimento que possuo atualmente."


( fotografia de Ruben Moraes)


"A natureza faz do homem um ser natural; a sociedade faz dele um ser social. Somente o homem é capaz de fazer de si um ser livre".

Rudolf Steiner




sexta-feira, outubro 14, 2005

nada de novo

lamento, amigo, não trazer nada de novo.
nem a procura é intensa
nem o encontro de um nome nos diz seja o que for.
as mesas permanecem à espera dos retratos da família.

e os livros guardam toda a poesia.

mariagomes
27.março,2005

quinta-feira, outubro 13, 2005



...

"Palavras, frases, sílabas, astros que giram ao redor de um centro fixo. Dois corpos, muitos seres que se encontram numa palavra. O papel cobre-se de letras indeléveis, que ninguém disse, que ninguém ditou, que caíram ali e ardem e queimam e se apagam. Assim pois, existe a poesia, o amor existe. E se eu não existo, existes tu." (...)

Octavio Paz " Águia ou Sol?"

(recolha de Amélia Pais in " Falar Poesia 1, 1ª série.)

quarta-feira, outubro 12, 2005




10 Quem é essa que desponta como a aurora bela como a lua
fulgurante como o sol terrível como as coisas insígnes?



Cântico dos Cânticos
pag. 67
edição bilingue
Tradução de José Tolentino Mendonça
edições Cotovia, Lda

domingo, outubro 09, 2005

Esta Mudança De Mor Espanto


Ta Muda Tenpu

Ta muda tenpu, ta muda vontadi,
Ta muda ser, ta muda konfiansa;
Tudu mundu é fetu di mudansa,
Ta toma senpri nobus kolidadi.

Sen nunka pára nu ta odja nobidadi,
Diferenti na tudu di speransa;
Máguas di mal ta fika na lenbransa,
Y di ben, si izisti algun, ta fika sodadi.

Tenpu ta kubri txon di berdi manta,
Ki di nébi friu dja steve kubertu,
Y, na mi, ta bira txoru u-ki n kantaba

Ku dosura.Y, trandu es muda sen konta,
Otu mudansa ta kontise ku más spantu,
Ki dja ka ta mudadu sima kustumaba.

Luís Vaz de Camões

tradução para crioulo de Cabo Verde é de José Luís Tavares

sábado, outubro 08, 2005

Nâzim Hikmet :20.01.1902/ 03.06.1963 ( Turquia)

Os cantos dos homens são mais belos que os homens,
mais densos de esperança,
mais tristes,
com uma vida mais longa.

Mais do que os homens eu amei os seus cantos.
Consegui viver sem os homens
nunca sem os cantos;

aconteceu-me ser fiel
à minha bem amada
mas nunca ao canto que para ela cantei:
nunca também os cantos me enganaram.

Qualquer que fosse a sua língua
sempre compreendi os cantos.

Neste mundo,
de tudo o que pude beber e comer
de todos os países por onde andei,
de tudo o que pude ver e ouvir,
de tudo o que pude tocar e compreender
nada, nada
conseguiu fazer-me tão feliz como os cantos...


20 de Setembro de 1960

Nâzim Hikmet


in " Poemas da prisão e do exílio"
editora & etc
Tradução de Rui Caeiro

segunda-feira, outubro 03, 2005

na existência pura

quero fotografar o poema na existência pura,
levantar a delicada forma da carne, da imagem ao nervo,

a morte que transcende a constelação
de um precoce outono perdido na folha onde escrevo.

ah se tu soubesses
como é redonda a levedura que me sela o gesto.

mariagomes
3out.2005

António Maria Lisboa*


(fotografia de mariagomes)

in " A Phala, Um século De Poesia"( 1888-1988)
edição Assírio & Alvim



*António Maria Lisboa (1928-1953) nasceu e faleceu em Lisboa. Foi um dos introdutores do surrealismo em Portugal, tendo colaborado nas sessões do JUBA e nas exposições do Grupo Surrealista Dissidente. Escreveu Erro Próprio (1950), o principal manifesto do surrealismo português, e foi redactor de Afixação Proibida em colaboração com Mário Cesariny de Vasconcelos.
Obras: Ossóptico (Lisboa, 1952), Isso Ontem Único (Lisboa, 1953), A Verticalidade e a Chave (Lisboa, 1956), Exercício sobre o Sono e a Vigília de Alfred Jarry seguido de O Senhor Cágado e o Menino (Lisboa, 1958), Poesia (Lisboa, 1977; 2ª ed., Lisboa 1995).

domingo, outubro 02, 2005

de um coágulo

não saias. vou contar-te uma história pequenina;
uma vez , alguém, apertava a intimidade.
trazia pela mão a noite,
como rendimento o coração determinado.

pai, uma vez, uma ilha oferecia a vida,
vastíssima têmpera de um coágulo.


marigomes
2.out.2005

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters