domingo, novembro 14, 2004

dentro do peito



a lua nascida nas tuas mãos de longe
um saibro na linha visível, o cansaço,
quase perfeito o escândalo do sol
guardo tudo, meu amor, dentro do peito.
o sândalo de labaredas que engolem a eito
túneis de lágrimas alheias
guardo tudo, meu amor, dentro do peito.
o coração, a denúncia sonâmbula de sorrisos,
ruídos de substâncias órfãs, sem idade
um homem feito que corrompe a claridade
guardo tudo, meu amor, dentro do peito.
a ânsia do verbo mal trajado, de um poema longo
o leito alado da neblina nua, o sal mendigo da rua,
guardo tudo, meu amor, dentro do peito.
guardo cidades, torres a tiro, madrugadas,
um frio, o brilho de rosas em ruína,
um defeito, vazios, tudo que haja, meu amor,
eu guardo dentro do peito.

mariagomes
nov.2004

4 comentários:

amita disse...

Muito belo e profundo. No peito se guarda bem fundo tudo isso, daí o cansaço. Bjinhos

Anónimo disse...

Gostei de ler, Maria.

hfm
http://linhadecabotagem.blogspot.com

LetrasAoAcaso disse...

O reencontrar-me com a imensidão da beleza poética da minha amiga a que chamarei benção divina num renovado prazer que apenas os sentidos captam, tornando a palavra uma inutilidade.
Feliz por estar aqui.
Desculpo-me pela ausência. O dia-a-dia de um jornalista não se compadece infelizmente com o tempo/nada.
Um beijo de gratidão amiga Maria pela beleza que se solta destas palavras.

mariagomes disse...

é um prazer "ter-vos" aqui na romã...
um beijo aos três da
maria

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters