segunda-feira, novembro 29, 2004

além do muro


viras-te para a vida
e os cipestres atrevem-se além do muro.
na aurora fria cintila ainda a noite
aquele compromisso claro
de celebrar a necessidade de ser criança.

mariagomes
nov.2004

domingo, novembro 28, 2004

Daniel Faria ( 1971- 1999)




Sabes, leitor, que estamos ambos na mesma página
E aproveito o facto de teres chegado agora
Para te explicar como vejo o crescer da magnólia.
A magnólia cresce na terra que pisas - podes pensar
Que te digo alguma coisa não necessária, mas podia ter-te dito, acredita,
Que a magnólia te cresce como um livro entre as mãos. Ou melhor,
Que a magnólia - e essa é a verdade - cresce sempre
apesar de nós.
Esta raiz para a palavra que ela lançou no poema
Pode bem significar que no ramo que ficar desse lado
A flor que se abrir é já um pouco de ti.
E a flor que te estendo,mesmo que a recuses
Nunca a poderei conhecer, nem jamais, por muito que a ame,
A colherei.

A magnólia estende contra a minha escrita a tua sombra
E eu toco na sombra da magnólia como se pegasse na tua mão.


Daniel Faria


Do livro "Dos Líquidos"
In Anos 90 e Agora, Uma Antologia da Nova Poesia Portuguesa
Edições Quasi, Vila Nova de Famalicão, Maio de 2001

quinta-feira, novembro 25, 2004

o que diz o poeta...


albano martins




(...)
No seu novo livro Três Poemas de Amor seguidos de Livro Quarto, diz que «As palavras / só conhecem o limbo, a rigorosa / película da sede». As palavras são o rebordo ou o interior do ser?


São o rebordo, mas é o interior que elas buscam. A palavra é, em sentido etimológico, a parábola, termo de origem grega que, entre outras coisas, significa «semelhança», «comparação». Compara-se o que se conhece, o que se mostra ou «aparece» ao olhar. Visando embora a essência, é só a aparência (o rebordo) que as palavras cingem.

Quando na sua poesia, em mais de 50 anos de vida literária, fala, por exemplo, do «esplendor da carne», é em si um sentimento de totalidade?

É a afirmação, sem receios e tabus, da beleza do corpo, contra a moral hipócrita e repressiva que vê a nudez (ou a carne) como um pecado e a alma como uma entidade separada do corpo. Não há, porém, alma sem corpo, ou vice-versa. Eles são a demonstração da operação matemática estabelecida por Almada Negreiros em que 1+ 1 é igual a 1.

Nessa soma ontológica, nessa unidade, o poeta será um corpo inexplicável em que «São vivas todas as marés»? Estou a citar um poema seu...

Inexplicáveis são às vezes as marés, que tudo submergem ou subvertem, ao arrepio da vontade. Mas é melhor, então, aceitar o embalo da onda e naufragar, talvez, ou, como diz o meu amigo, pintor e poeta Cruzeiro Seixas, «morrer em pleno voo».


ALBANO MARTINS em entrevista a
MARIA AUGUSTA SILVA

sem luar


Gloria Baker Feinstein, b.1954




gradeias lágrimas neste céu
sem luar são passíveis as janelas
procuras a maneira finita da neve que cai nas estrelas
em nenhuma viagem foste tão longe
ao pormenor do sol subentendes a distância
e no entanto o mar parecendo pouco é teu
será sempre um ventre aberto onde pairam
gaivotas precoces onde perto gravita o vento.

mariagomes
nov.2004

quarta-feira, novembro 24, 2004

em grieg



habito o sentido de uma linha secreta
um corpo
esta marca que trago
em grieg tenho a alma os lábios
os olhos indo
como se uma primavera me fechasse
como se houvessem flores espelhadas
e dos caminhos o sol saísse.

mariagomes
nov.2004

domingo, novembro 21, 2004

apaguem todos os meus poemas...




apaguem todos os meus poemas de noite numa insónia funda
deixem que o branco vingue
como o silêncio dos planaltos longos onde me demorei.
estive somente a sacudir manhãs que dominam a dor.
agora que os caminhos estreitam
partem imagens absurdas cores cheiros
e mais qualquer coisa que criei em frente aos espelhos.

mariagomes
21.nov.2004

sábado, novembro 20, 2004

Um poeta, um amigo *



OUTONAL



Cai uma folha no poente destes dias
O que era nítido torna-se difuso
Babel renasce em cinzas de um deserto próprio
E o vento busca em vão uma harmonia

A solidão é em mim um oásis às avessas
Lutando em vão contra a miragem certa





*Amélia Pais




outono - José Malhoa (1855 - 1933)


domingo, novembro 14, 2004

dentro do peito



a lua nascida nas tuas mãos de longe
um saibro na linha visível, o cansaço,
quase perfeito o escândalo do sol
guardo tudo, meu amor, dentro do peito.
o sândalo de labaredas que engolem a eito
túneis de lágrimas alheias
guardo tudo, meu amor, dentro do peito.
o coração, a denúncia sonâmbula de sorrisos,
ruídos de substâncias órfãs, sem idade
um homem feito que corrompe a claridade
guardo tudo, meu amor, dentro do peito.
a ânsia do verbo mal trajado, de um poema longo
o leito alado da neblina nua, o sal mendigo da rua,
guardo tudo, meu amor, dentro do peito.
guardo cidades, torres a tiro, madrugadas,
um frio, o brilho de rosas em ruína,
um defeito, vazios, tudo que haja, meu amor,
eu guardo dentro do peito.

mariagomes
nov.2004

sexta-feira, novembro 12, 2004

o sangue que me nutre




vejo a foz das palavras famintas
no descanso dos teus dedos.
sigo o curso das escamas ardentes neste outono.
a pétala do teu sonho dilui o vento
no areal interno da luta.
vem. sobram asas sobre o mar desabrigado.
vem anjo sedutor proferir a oração o fim
a lâmpada acesa do meu ser.
obriga um rio a correr. obriga o grito
o sangue que me nutre a dizer.

mariagomes
12.nov.2004

quinta-feira, novembro 11, 2004

o que diz o poeta...





Autopsicografia


O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.


Fernando Pessoa

quarta-feira, novembro 10, 2004


" Maternidade" José Sobral de Almada Negreiros (1893 - 1970)

terça-feira, novembro 09, 2004

a noite


a noite vingou num colo de palavras
é um canto perpétuo de luz
ó mãe as aves calçam o silêncio
e uma boneca impossível estende-lhes os braços.

mariagomes
nov.2004

sábado, novembro 06, 2004

o gesto do olhar




eu fico-me pelo soco da lembrança
de um deserto
deito-me na noite plana
na superfície de sonhos vivo
hei-de escrever um epitáfio em estanho
a boca em eco
o amor crivado de memória
hei-de escrever o horizonte
o gesto do olhar
a pedra
na história angular da nossa história.

mariagomes
6, nov.2004, 23h.35m

Conferência de Agostinho de Campos ( 1923)





(…)
“ quando eu era rapazinho, corria oralmente, entre os liceais meus camaradas, um bocado de “prosa riquíssima”, que eu decorei então, e nunca mais me esqueceu. Vou recitá-lo com a minha melhor entoação:

“ Acuminado pela sede de cascabulhar na caligem bruna dos tempos cadilhos edulcorados de cadoxos em estropiação acpacmásticas, exausto-me em pélagos de polimorfias eméticas, onde em vez de campanarem faces ebóreas de empubescimento acariante , enfrento apenas múmias egras dum calecedonismo de carpólilhos”


Nós, rapazitos, passávamos, uns aos outros a tradição deste saboroso petisco, que não sei de onde veio. Íamos aos nossos dicionários e encontrávamos lá todas as estupendas palavras de que ele se cozinhou. Mas não ficávamos por isso muito mais adiantados a respeito da sua beleza e significação.
Ora isto é mais sério do que parece, porque a idade a que cheguei já me permitiu ver que um ou outro literato e político tem feito muito boa carreira, a dizer ou escrever coisas que não se entendem muito melhor do que aquilo. E a mim parece-me que para a nossa política e toda a nossa vida social entrarem no equilíbrio, na ordem, no sentido das proporções e no próprio senso-comum, não deve ser indiferente que a literatura lhes dê sempre este mesmo e tão saudável exemplo.
Quem pensa claro, fala claro. Quem sente nobremente expõe a sua alma em termos simples. Quem é sincero execra a pompa no dizer, máscara de vaidade, pretensão e hipocrisia. Quem não pretende ou não precisa de meter os pés pelas mãos ou as próprias mãos nas algibeiras dos outros não transforma a palavra num feitiço misterioso e difícil, isca de ignorantes e ingénuos, inclinados a achar poderes sobrenaturais naquilo que não entendem.
E eis aqui uma grave dificuldade, uma contradição e quase um paradoxo: para sentir o valor da palavra simples e ao mesmo tempo artística, é necessário ser-se complicado, quer dizer: educado no gosto; culto de verdadeira beleza literária; fino de preferências e agrados. Na mesma loja de modas onde uma mulher distinta escolhe estofos e guarnições sóbrias de cores, pode entrar a seguir qualquer senhoreca dinheirosa, para se enfeitar como uma arara. E a literatura de um país provinciano ( inculto e pouco lido) arrisca-se a ser uma loja de modas a ser um maior sortido para catatuas, que para fidalgas.
... amemos e louvemos os nossos poetas e prosadores que falem claro, e claro se exprimem numa linguagem ordenada e cristalina. Muitos deles vivem ainda connosco, e são dos melhores que jamais tivemos. Melhores pelo talento, e melhores pelo ideal de servirem (…) a arte. Façamos por compreender a sciência da composição e amplitude das escalas que se oculta na harmonia sóbria das suas vozes. E ajudemo-los, e sigamo-los no seu empenho… estimulados pela nossa participação e pelo nosso aplauso, eles continuarão, e progredirão ainda, se é possível, tornando-se cada vez mais objectivos, mais humanos; e já que falam uma bela língua que o povo pode compreender, procurarão aproveitá-la para contar ao povo histórias que ele compreenda, como bons irmãos seus que se sabem mais sábios, mas não querem fazer da sua sciência título de estéril orgulho e pergaminho de aristocracia desdenhosa , sequestrada do ambiente mais largo.
Bastante egoísta se tem mostrado no decurso dos séculos a nossa literatura, sobretudo a poética, confinada quasi sempre no lirismo amoroso, que é uma forma de egoísmo, sensual ou lamuriento. Com uma prosa esotérica, difícil, complicada a acrescentar-se a uma poesia egocêntrica e indiferente ao mundo que a rodeia, cada vez mais os homens se afastariam do povo, da multidão das almas (...)
Pensem os nossos melhores escritores nesse povo, que afinal pouco perderá com não saber ler, se o escol literário lhe não fornecer nada que ele leia. (…)
"


Agostinho de Campos ( sócio correspondente da Academia das Sciências de Lisboa)

In “ as três prosas: A pobre, A rica, A nova rica.
Edição Livrarias AilLaud e Bertrand - 1923


os aromas de agosto


ia mais longe o sol quando as árvores eram profundas.
uma rosa cantava o esplendor da sombra aberta para o linho;
era largo o tempo das avenidas a fio.
agora, em que cidade te encontro?
que ruas abrem o teu sorriso ao rio?
que silêncios se quebram nos galhos, nas raízes, nas gargantas?
em quantas figuras se fixam os aromas de agosto,
em quantas cores, quantas...,? em tantas perguntas.

mariagomes
10ag2004

sexta-feira, novembro 05, 2004


Dupoux, Marithou - Les Masques

de uma resposta





"- tudo em nós interior e exteriormente, clama
por uma perpetuação - então a eternidade é uma resposta"
Alda Lara



pelo seio nu da mãe ao entardecer
pelo ser cumprido na palavra

pelo gosto da buganvília pela língua inesperada
pelo odor franzido do sol pela gaivota vaga
pela onda finda na pele pela lua exposta
pela esperança ainda de uma pergunta. de uma resposta.

mariagomes
5,nov.2004


quinta-feira, novembro 04, 2004

não sei




não sei onde deixei as lágrimas
se pelas estrelas dos homens dóceis tiritando
se pelos cavalos
bravos
frios
próximos
não sei se a noite cede a novembro
sobram-nos sóis
e nuvens roxas de nenúfares
gritam no sul coalhado.

mariagomes
4,nov.2004

o que diz o poeta...





(...)O homem é um mistério encarnado, opaco a maior parte das vezes aos olhos mais penetrantes. Por isso,ninguém conhece verdadeiramente ninguém. Mas os poetas mostram-se sempre como são. Não por serem mais sinceros, mas por imposição da própria poesia. Porque irrompe das profundezes ígneas do ser, quando se manifesta traz à tona a verdade ainda a fumegar. Em quantos versos sibilinos ficam registados os seus sentimentos e paixões? Em quantas imagens ocultas os traços disfarçados de rostos amados? Em quantos poemas eu vos disse já o que agora vos digo? (...)

Miguel Torga
Malaposta, 14 de Agosto de 1993


com palavras e plágios



flor minha flor aberta ao infinito frágil
flor flor duas vezes
cem vezes vieste flor do aroma
no fogo sem lábios
com palavras e plágios

flor volida na corola dos meus dedos
beijo-te em sílaba

mariagomes
set.2004

terça-feira, novembro 02, 2004

de brinquedos e arames




uma cidade erguia um campo precário de brinquedos
e arames vertidos pela paz.
a transparência em arco implodia da ilusão
vulcânica na música que cavalgava.
uma crina. uma cidade calada clara erguia o sonho humano.
um outro sonho à margem trazia o reino da ternura
onde sílabas pendiam de um piano.


mariagomes
2nov.2004

rente ao passado





quando a morte vier
direita aos meus lábios,
estreita o meu corpo
na febre a descer.

sairei de ti a andar, incerta,
no olhar que falou como se fala
à flor acabada no húmus da terra;
flor que viveu muitas vezes, interna,
em dias maleáveis como dedos
largados em mares cheios de lagos
e significados. mas só quando a morte
vier, e eu ficar rente ao passado.


mariagomes
in. " antologia Escritas 1"
janeiro2004

Manuel Bandeira





PREPARAÇÃO PARA A MORTE


A vida é um milagre.
Cada flor,
Com sua forma, sua cor, seu aroma,
Cada flor é um milagre.
Cada pássaro,
Com sua plumagem, seu vôo, seu canto,
Cada pássaro é um milagre.
O espaço, infinito,
O espaço é um milagre.
O tempo, infinito,
O tempo é um milagre.
A memória é um milagre.
A consciência é um milagre.
Tudo é um milagre.
Tudo, menos a morte.
-Bendita a morte, que é o fim de todos os milagres.


Manuel Bandeira

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters