sábado, julho 02, 2005

Nem tudo o que escrevo é poesia. Nem sempre "voo fora das asas" (1), escrevo todos os dias para poder tocar as teclas ou ver no papel correr a caligrafia.
Mas o poema vem quase sempre de um papel.
Se reparo que, se há traços que são inimitáveis na minha caligrafia, reparo também que há dias em que ela se apresenta com ligeiras diferenças, mais fechada ou mais aberta. Julgo que será por essas diferenças que a poesia deve entrar.


mariagomes
2julho.2005


(1) Manoel de Barros

6 comentários:

AmigaTeatro disse...

Porque é a escrever que mostramos o nosso estado de alma... as (verdadeiras) palavras não mentem... são naturais e transparentes...

:)

mariagomes disse...

grata pela tua visita, amigateatro.
beijinho
maria

mariagomes disse...

grata pela tua visita, amigateatro.
gostei desse teu símbolo, as máscaras.
beijinho
maria

mariagomes disse...

grata pela tua visita, amigateatro.
gostei desse teu símbolo, as máscaras.
beijinho
maria

mariagomes disse...

isto duplicou, triplicou :-(

r.e. disse...

é preciso um olhar amplo e incisivo para percorrer espaço tão ínfimo. a poesia olha com a visão da águia e a argúcia do lince. e parece já te conhecer tão bem... Beijinho. J.

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters