domingo, julho 31, 2005

esta lua

esta lua é uma criança,
e ninguém sabe que enlaça o poema dos verdes ramos.
esta lua é uma graça, à distância estremece

ao ser de sábia mão.
esta lua é um redondo manifesto.

o meu barco, de repente, balança, em silêncio, em fúria;
esta lua insinua.

mariagomes
julh.2005

fotografia de Ansel Adams in art.transindex.ro

sábado, julho 30, 2005

sem ambição

combino formas sem ambição infinita
cai uma frente o futuro uma chuva que avança
para um refúgio de horas que se quebram nos quadris.

há uma claridade audaz que me cega
há um abismo doente de alegria
a infância que vê o mar sempre assim iluminado.

ó deserto impassível ó água corrente e castanha ó rio feliz
abre o meu coração como se a morte fosse uma taça
com feitio de coisas feitas pelo oceano.

o meu coração está mais calmo bate como espírito incriado.


mariagomes
julho.2005

quinta-feira, julho 28, 2005

( sem título)

perdi-me num requesto secular...
perdi-me no perfil de um poente,
e as amoras amadurecem.

o que escrevo é nada, enquanto os luares correm.
há uma dilatação a urdir a fábula, e o ébano.

meu amor, deixa que seja minha a anuência da música.
a música é uma ínsua no tempo.

mariagomes
julho.2005

quarta-feira, julho 27, 2005



....

"Digo no meu escandir privado:
já alcancei a membrana da romã
fruto áfrico neste patamar sagrado
onde o repouso cala o grito da manhã."
....

Heliodoro Baptista


excerto do poema "história irrasurável"
in " Nos Joelhos do Silêncio"
editorial caminho, 2005

ante a margem

até esse amor ficou,
preciso de acordar as pedras do sol.
só depois partirei comigo,
como eu sou,
na delonga do mar
interior

ante a margem e um equívoco.

mariagomes
julho.2005

terça-feira, julho 26, 2005

e.e.cummings

"...citarei muito brevemente um livro maravilhoso, com o qual me familiarizei pela primeira vez através de uma amiga maravilhosa chamada Hildegarde Watson - um livro cujo título em português é Cartas A Um Jovem Poeta, e cujo autor é o poeta alemão Rainer Maria Rilke:

'As obras de arte são de uma solidão infinita e nada nos toca tão pouco como a crítica. Apenas o amor as pode alcançar e deter e julgar equitativamente.'

Na minha orgulhosa e modesta opinião, estas duas frases valem toda a soi-disant crítica das artes que já existiu ou que algum dia existirá. Discordem delas tanto quanto quiserem, mas nunca as esqueçam; porque se as esquecerem terão esquecido o mistério que vocês têm sido, o mistério que serão, e o mistério que agora são-

tantos seres ( tantos demónios e deuses
cada qual mais ganancioso de que todos) é um homem
( tão facilmente um em outro se esconde;
e não pode o homem, sendo todos, fugir a nenhum)

tão vasto tumulto é o mais simples desejo:
tão impiedoso massacre a esperança
mais inocente ( tão profunda é a mente da carne
e tão desperto o que o acordar chama dormir)

assim nunca está mais sozinho o homem só
( o seu mais breve respirar vive o ano de algum planeta,
a sua mais longa vida é a pulsação de algum sol;
a sua menor imobilidade percorre a mais jovem estrela)

- como pode um louco que a si próprio se chama " Eu" supor
que entende um não numerável quem? "

....

E.E. Cummings
in " eu seis inconferências"
edição assírio e alvim

no comments

domingo, julho 24, 2005

imaginário

são minhas as águas que se calam,
é meu o poema perdido, e uns girassóis,

e esta ânsia
devoluta no silêncio que poderia ter nascido.

nada mais tenho, oh lago imaginário.

mariagomes
24julho2005

sexta-feira, julho 22, 2005

" Memória"


(@ fotografia de mariagomes)



De todos os cilícios, um, apenas,
Me foi grato sofrer:
Cinquenta anos de desassossego
A ver correr,
Serenas,
As águas do Mondego.

Coimbra, 1 de Novembro de 1983

Miguel Torga

quinta-feira, julho 21, 2005


Rua Ferreira Borges, Coimbra, 21 de Julho de 2005 @mariagomes

Mia Couto

“Eis a diferença:
Os que antes morriam de fome
Passaram a morrer por falta de comida.”


( taberneiro Tuzébio)

Mia Couto

in “ Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra”

Editorial caminho

quarta-feira, julho 20, 2005

A Morte do Valente

Mamava no verde das tetas de coqueiros,
e no regaço de areias amadas pelo vento,
gostava de brincar com pedras fixas
sem medo, batidas pelo mar.

Um dia descobriu outra identidade;
nome: Valente
filho de: Vontades
idade: Militar

E marchou.

Tanto marchou que, num voo desventrou a terra,
qual ave ferida caiu na cratera da vida.
Ficou-lhe a bater o coração, e à cintura
um coágulo de revólver figurado...

Circulou num andar de ruínas pelas ruas,
lambeu o lixo de muitas vaidades.
Com raiva engolida no tempero da fome
consultou o mercado trocado de valores:
- uma galinha valia mais do que a pólvora!
num gesto herdado de pensar ao vento,
acariciou a cintura...
Logo, de todos os quadrantes partiram balas...
O mundo armado no medo da verdade
atingiu um astro na sua idoneidade.


mariagomes
dezembro, 2002

Sebastião Salgado



"Refugee From Gondan, Mali 1985 "

terça-feira, julho 19, 2005

OBJETIVO




"Os verdadeiros versos não são para embalar, mas para abalar"

Mário Quintana





gradualmente



despir os olhos gradualmente à emoção dos regatos
algo visto intocável
é esse manto de cambraia

o azul da carne
a cintura
no prolongamento de um vulto que sustenta a luxúria.


mariagomes
julh.2005

domingo, julho 17, 2005

" Regatas em Argenteiul"






"...a primeira impressão a que somos sensíveis, nunca deve ser perdida"...

Claude Monet

( a enrique granados)

hoje, não há rosas em casa.
há a consagração vermelha de guitarras
e o navio
saindo das profundezas
com muitas partituras de paris
tocadas,
em valsa, por monet.

mariagomes
julho2005

sexta-feira, julho 15, 2005

difícil aventura

vem comigo fazer a tal viagem.
a poesia foi pensada
na funda, difícil, aventura de filtrar o que somos.
oferece-me um rio,
o outro lado
do trigo que sobrou da eternidade.

mariagomes
julho.2005

quinta-feira, julho 14, 2005

a pergunta de Sofia...

A Sofia* apontou o dedo para um livro, e fez-me a seguinte pergunta : "de quem é essa palavra?"

Hoje, aprendi com a minha neta que a palavra é um livro.


mariagomes



( * com 2 anos e 10 meses)

artCanal



"Vênus" de Zamboni
téc: mista - 80x100- ano 2000

terça-feira, julho 12, 2005

a obsessão

porque me espreita de um piano
a nota solta
minúscula iniciando o mundo

porque é breve a obsessão
e o litoral vai

para uma ilha onde se altiva

porque o milagre é absoluto
de animais que afiam as miragens

porque na música há palavras
eu posso escrever
meu amor.


mariagomes
julho.2005

sábado, julho 09, 2005

e os milhafres

e os milhafres que me ardem na mão,
o cacto, a cor do exílio delirante,
tudo isso exacto em claves e claustros

repartidos pelos dedos de um poente marítimo
a acontecer nos meus deuses, quando ainda havia deuses

qu’ eu podia amar,

o que deles faço?

mariagomes
9 de julho.2005

sexta-feira, julho 08, 2005

Paulo Leminski




ODE À POESIA


"Parem, eu confesso, sou poeta. Cada manhã que nasce me nasce uma rosa na face. Parem, eu confesso, sou poeta. Só meu amor é meu deus, eu sou o seu profeta".

Paulo Leminski ( Brasil, 1944/1989)

Pedro Oom


"Poesia não é uma medalha para por no peito dos tiranos mas uma imensa solidão feita de pedras, onde o despotismo pode encomendar o ataúde. Cada um de nós odeia o que ama. Por isso o poeta não ama a poesia que é só desespero e solidão mas acalenta ao peito as formigas da revolta e da rebeldia, que todos os déspotas querem submissas e procriadoras. Só os voluntários da miséria e da submissão patriarcal querem a poesia na arca da aliança com a tradição pacóvia e regionalista dos pretéritos dias, glórias patrioteiras, heroicidades frustes, pirataria ignara.Todo o verdadeiro poeta despreza o pequeno monte de esterco onde o dejectaram no planeta e a que os outros chamam pátria, e só ama os grandes continentes mares e oceanos da liberdade e do amor. Só nos vastos espaços incriados a poesia serve o seu destino – catapultar o homem nos abismos do desejo incontrolado onde o próprio assassinato é um acto de poesia e de amor. Este assassinato de que falo é o grande amplexo de homem para homem a solidariedade e a ternura, não a caridade hipócrita ou a cama de família, com todo o seu pequeno cortejo de horrores, onde a exploração do filho pelo pai dita a sua lei."

[Pedro Oom, Poema, in Grifo 1968 (?)]


*Pedro dos Santos Oom do Vale (1926 - 1974) foi um escritor surrealista português, que fez parte do Grupo Surrealista Dissidente, juntamente com nomes como Mário Cesariny e Alexandre O'Neill.

quinta-feira, julho 07, 2005

EU QUERO QUE AS FLORES SE PONHAM

EU QUERO QUE AS FLORES SE PONHAM SEMPRE COMO AMENDOEIRAS
BRANCAS BRANCAS BRANCAS
ÀS VEZES ESTOU NUM VERSO E EXPLODEM BOMBAS
ENTRA UM VENTO REFLECTIDO COMO AREIA QUE PROCURA OPOR-SE
E EU VEJO AS COISAS QUE ELE OFERECE
ELE TECE UM CÍRCULO UM MOVIMENTO O SANGUE
INCÓGNITO DA CEGUEIRA ONDE UM VERÃO SE ESCONDE
EU QUERO QUE AS FLORES SE PONHAM SEMPRE LONGE DA VISÃO DO FOGO
EU QUERO AS FLORES SE PONHAM.

mariagomes
7 julho.2005

Marc Chagall




só é meu
o país que trago dentro da alma.
entro nele sem passaporte
como em minha casa.
ele vê a minha tristeza
e a minha solidão.
me acalanta.
me cobre com uma pedra perfumada.
dentro de mim florescem jardins.
minhas flores são inventadas.
as ruas me pertencem
mas não há casas nas ruas.
as casas foram destruídas desde a minha infância.
os seus habitantes vagueiam no espaço
à procura de um lar.
instalam-se em minha alma.
eis por que sorrio
quando mal brilha o meu sol.
ou choro como uma chuva leve
na noite.
houve tempo em que eu tinha duas cabeças.
houve tempo em que essas duas caras
se cobriam de um orvalho amoroso.
se fundiam como o perfume de uma rosa.
hoje em dia me parece
que até quando recuo
estou avançando
para uma alta portada
atrás da qual se estendem altas muralhas
onde dormem trovões extintos
e relâmpagos partidos.
só é meu
o mundo que trago dentro da alma.

Marc Chagall*

(tradução: manuel bandeira)

*Marc Chagall nasceu em 1887 na Rússia Czarista. Filho mais velho de uma família pobre, educou-se em um ambiente de perseguição aos judeus. Em 1910, mudou-se para Paris, onde viveu até 1914 e onde teve contato com as sucessivas vanguardas do mundo das artes plásticas.Inicialmente aceito pelo regime soviético, em 1922 afastou-se dele e regressou para a França. Durante a Segunda Guerra Mundial viveu nos Estados Unidos. Múltiplo artista, cultivou, além da pintura, a cenografia, os vitrais, os mosaicos, etc. O seu mundo pictórico desligou-se em certo modo das vanguardas e tornou-se profundamente pessoal, contendo elementos cubistas e surrealistas, assim como símbolos judaicos e russos. O caráter onírico, a variedade cromática, um aparente infantilismo e a facilidade decorativa repetem-se incessantemente na sua pintura. Reconhecido como um dos principais pintores do século XX, Marc Chagall morreu em 1985, na França.

segunda-feira, julho 04, 2005

pergunta ao renascer

cantar sem a nostalgia,
porque sempre vai à frente
o sol da madrugada.

vento livre de verso humano,
na tua mão traçada,
pergunta ao renascer
:
poderá um critério,
cantar, cantar a forma,
viver em poesia, carne do teu ser?

(que poderá a memória?)



mariagomes
4 julho.2005

domingo, julho 03, 2005

Mia Couto



"Dizem que os poetas sabem, sentindo. Distinguem-se dos homens da ciência porque estes estão credenciados por um saber contabilizável. Mas não há fronteira entre sentir e raciocinar. Persiste em todo o acto de sabedoria um diálogo secreto entre coisas e seres."
....

Mia Couto
excerto do prefácio de " os joelhos do silêncio"
de Heliodoro Baptista
editorial caminho

Ave Solitária / Manuel C. Amor




À Maria Gomes

"Separados fomos por cítaras e canto
Como outros por prisões ou por espadas
"

(Sophia Mello Breyner Andresen)


Ave solitária voando sobre o mar
arrancando o corpo às tempestades.

Vieste do tempo
em que tudo nasce e tudo morre.
Assistes a esta nossa vida
longe da terra combalida.

Nenhuma nostalgia
matará as palavras
com que fazes os versos.


Manuel C. Amor

Julho 2005.

em Escritas

O céu contra os eclipses / Maria do Sameiro Barroso


(fotografia de "a rota dos ventos")


Rosas de um deserto vermelho, num tempo de morrer,
pela primavera, como os reis solares,
para exercitar a beleza, a criação,
o céu contra os eclipses adormecendo na turbulência lírica
dos dias, os meses passando suavemente.
Ontem Giuseppe Sinopoli morreu, em Berlim,
a dirigir o terceiro acto da Aïda.

Debruçada sobre os desertos, pensei no Egipto
dos faraós, em Belzoni, nas primeiras escavações,
num verso de António Ramos Rosa:
— “Desertei da biografia e dos relógios”.

E as lacunas emaranharam-se para construir a súbita
vastidão, os degraus e sua beleza resoluta,
pelos instantes nocturnos onde a intensidade se revela,
o mundo transpira, em cada instante,

o esplendor da claridade estende-se, pelas esfinges
lentas, diuturnas,
sobre a água e os papiros, as pirâmides grandiosas;

Hórus, o Deus Falcão, estendendo as suas asas,
pela agilidade que se ergue
e as luas lentas aproximam-se, porque amo os desertos,
os violoncelos verdes, o ímpeto radioso
e a poesia que se consuma,


pela aventura íngreme de todos os textos.


Maria do Sameiro Barroso*

(21-IV-2001)

(In Revista Mealibra, nº 9, Viana do Castelo, Dezembro, 2001, pg. 167.)

* o meu beijinho de agradecimento à Maria do Sameiro, por este poema oferecido à romã de vidro.

sábado, julho 02, 2005

Nem tudo o que escrevo é poesia. Nem sempre "voo fora das asas" (1), escrevo todos os dias para poder tocar as teclas ou ver no papel correr a caligrafia.
Mas o poema vem quase sempre de um papel.
Se reparo que, se há traços que são inimitáveis na minha caligrafia, reparo também que há dias em que ela se apresenta com ligeiras diferenças, mais fechada ou mais aberta. Julgo que será por essas diferenças que a poesia deve entrar.


mariagomes
2julho.2005


(1) Manoel de Barros

Piazzolla é um adeus inacabado




A Silvia Chueire do blog eugeniainthemeadow, perguntou-me numa Lista de Poesia como tinha surgido o poema que escrevi sem título, e eu disse-lhe que tinha surgido da música. Alguns dos meus poemas nascem da música que me fragiliza, e Piazzolla é um dos compositores que tem esse poder. Oiço-o até à exaustão, tocado de mil maneiras, seja pela Orquestra Filarmónica de Berlim, seja pela Orquestra do Teatro de Cólon. Há variadíssimas composições, fruto da fusão cultural que lhe é característica. Quando parece que tudo foi ouvido, surge uma nova versão ( e qual delas a mais bela?!)

Piazzolla é um adeus inacabado.

Ou um poema inacabado porque, numa outra oficina, Escritas, o Xavier Zarco e o José Félix, depois, escreveram:



ninguém morre de morte natural (1)


são decepadas as árvores
no consumismo das urbes.

só uma sílaba
percebeu o desígnio da morte
fugindo com vento
numa folha velha
de fuligem.

houve cânticos
no canavial da ravina.

josé félix

(1) jorge de sena


.../...


...e converter-se-á

semeados os lábios na sede
indagarão as secretas
águas dos templos

sobre a ara
a flor vermelha

as mãos em silêncio
do frio dos joelhos colherão
as sílabas de cada
uma
das suas pétalas...

Xavier Zarco




sexta-feira, julho 01, 2005

talvez a terra se converta,
e volte co'a flor vermelha.

olha, nunca mais eu vou morrer.
piazzolla tocou, ontem, pela enésima vez.
é preferível que do campo se livre um outono, como a morte.

mariagomes
1julho.2005

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters