segunda-feira, janeiro 31, 2005

vegetação intima



vive na vegetação intima como sois que ninguém vê.
reserva-te ao sono verdadeiro.
sê o voo que vem, em bando, trazer as aves, primeiro.

e o mar a seguir o mar na palma das planícies,
o núcleo ingénuo da noite com girassóis altos e tristes.

mariagomes
31jan.2005

3 comentários:

Bandido ORiGInAl disse...

Romã de Vidro que nome tão peculiar...

Venha beber um tinto maduro a Zurugoa, não se arrependerá...

http://zurugoa.blogspot.com

Salut

Anónimo disse...

Este poema desassossegou-me especialmente o segundo verso. Gostei muito da poesia que li por aqui.

Bárbara Campos
barbcampos@yahoo.com

Márcia Maia disse...

Esse poema lê-me. Sobretudo esta noite com girassóis altos e tristes.
Beijo, amiga.

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters