domingo, fevereiro 20, 2005

o amor simples



vou escrever um nome antiquíssimo na lua convergente
na loucura fugaz em que tropeço.
deve ser o nome de deus que vem de dentro.
o amor simples que teço a equação de um cardo
que me abraça
pela areia lisa. um nome sem camisa.
que sangra extenso no que não acredito.
é mais do que o teu rosto. ou de que o meu próprio grito.

mariagomes
20fev.2005

4 comentários:

gonçalo b. de sousa disse...

Um amor simples num texto além do grito e da lua convergente; bem por dentro do que se espera seja um poema. Parabéns.

mariagomes disse...

obrigada, gonçalo,
posteriormente à tua leitura fiz uma revisão ao texto... sabes que sou receptiva a todas as sugestões ou críticas, como lhe queiram chamar.

um abraço

mariagomes

mariah disse...

imagens muito belas.
destaco:"um nome sem camisa.
que sangra extenso ..."

maria,como gostei!

beijo.

mariagomes disse...

um beijo de agradecimento, mariah,


maria

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters