quinta-feira, maio 26, 2005

Yves Bonnefoy


fotografia de David Hamilton



(...)
Aliás, haverá obra de poesia que tenha alguma vez sido realizada para " comunicar" um sentimento, um conhecimento, um pensamento? Um poeta preocupa-se em inventar, em verificar, e isso é viver, não é dizer - só dirá consequentemente. Assim sendo a sua clareza vai a par dos seus enigmas. Explícito quando deve conhecer-se a si próprio, irá calar aquilo que já sabe. Mas ele é grande justamente por causa dessa solidão que procura. A sua verdade irradia pelas suas vias obscuras. E se o poema acabado é válido para todas as mulheres e todos os homens, é porque o seu autor só quis ser ele mesmo, numa experiência privada" (...)

Yves Bonnefoy
(em " Rimbaud"
edições Cotovia)

2 comentários:

jorge disse...

não conhecia o autor.
bom texto!

mariagomes disse...

faltou-me colocar uma nota acerca de yves, jorge mas deixo-a aqui:
Yves Bonnefoy, poeta, ensaísta e tradutor, (n. 1923, Tours, França) iniciou a sua carreira com os surrealistas. Já afastado do grupo, publica em 1953 Du mouvement et de l’immobilité de Douve, título que inaugura a sua obra. Desde então, e a par de uma contínua actividade poética, traduziu para francês Shakespeare, Yeats e Leopardi, entre outros, e escreveu sobre arte e literatura.

maria

Arquivo do blogue

Acerca de mim

A minha foto
Podes entrar ; tenho as mãos para dizer o disperso canto das águas. Os meus olhos, alagados pelo grito das árvores, são lúcidos ao início do sol. Com o amor das coisas, rejubilo e lanço os braços a um rodopio doce e futuro, a uma tempestade humana. Tudo o que eu espero é sentir o elo da criação que se move, entre mim e ti, e a claridade. ____________mariagomes
Estou no Blog.com.pt

Free Site Counters



Free Site Counters